quarta-feira, 11 de julho de 2012

Primus inter pares

Foi a segunda vez em que a Nova República cassou um parlamentar de sua câmara alta - agora, o senador Demóstenes Torres (GO) - e, pela segunda vez, a sensação predominante ao encarar a solidão do réu diante de seus algozes era a de que, naquele instante, muitos destes lhe deveriam fazer companhia. Os males maiores julgaram e condenaram o menor. 


"Decifra-me ou te devoro" dizia a esfinge da antiga Grécia, posta a guardar a entrada da cidade de Tebas.

Às portas do plano piloto, em Brasília, dizem hoje habitar um monstro similar. Tem patas de gatuno, corpo de sapo, cabeça de anta e tentáculos de molusco. Possui escutas em todas as partes e olhos em cada repartição, e a tudo envolve com voz rouca e sinistra quando interpela legisladores e magistrados que se dirigem aos espaços de poder, bloqueando-lhes a avenida: "adora-me ou te delato!"

No dia de hoje, ao que se indica, alguém não lhe prestou as devidas libações. Uma cabeça rolou na capital federal, e o espetáculo, por alguma razão, não se assemelha à verdadeira justiça, mas a um sacrifício pagão.

A esfinge de outrora interrogava: "qual criatura pela manhã tem quatro pés, dois sob o sol a pino e três ao entardecer?" - e quantas vezes repetiu sua charada até ouvir a resposta de um campeão!

O único enigma que a esfinge planaltina oferece, agora, é saber por quanto tempo mais suas grandiosas mentiras e contraditória moral seguirão a ludibriar as massas.

Entretanto, não é bom que uma pátria dependa inteiramente do advento de um único herói para livrar-se de seus vícios. É preciso deixar de alimentar o cefalópode, negar recursos ao dinossauro do poder central. Para reduzir a corrupção não bastam as pequenas concessões das grandes quadrilhas à opinião pública.

Há que cortar os vastos tentáculos que incentivam e recompensam os corruptores. Há que destronar a esfinge, para que bens, pessoas e valores possam voltar a traçar seus caminhos em liberdade e paz, sem pagar tributo algum senão a quem e por quem de direito.

Nenhum comentário: